domingo, 26 de setembro de 2010

O segredo mais sincero de Leila Pinheiro



Em algumas de minhas crônicas escrevi que ninguém melhor do que o compositor é capaz de interpretar suas próprias músicas, hoje venho aqui para repensar essa idéia movida pela audição de Meu segredo mais sincero, cd recém lançado da cantora Leila Pinheiro.

Leila acertou em cheio ao escolher esse sensível título para seu cd, que traz somente canções do compositor e cantor Renato Russo. Nunca escondi dos amigos minha total incompatibilidade com a obra de Renato, que a meus olhos e ouvidos sempre foi sinônimo de pobreza harmônica e infantilidade poética. Recordo-me que na adolescência dificilmente assimilava as sequências de acordes simples que observava nas canções de Renato tocadas pelos colegas, papai dizia-me que sua voz era demasiadamente parecida com a de Jerry Adriani, o que contribuiu mais ainda para meu distanciamento do trabalho do roqueiro que retratou um geração, conforme assegura uma das vertentes críticas da qual eu também não compactuo.

Enquanto muitos colegas cantavam eufóricos os versos: “Quero colo/Vou fugir de casa/Posso dormir aqui com vocês/ Estou com medo, tive um pesadelo/ Só vou voltar depois das três”, eu cantava: “ Te pego na escola e encho a tua bola com todo o meu amor/ Te levo pra festa e texto seu sexo com ar de professor/ Faço promessas malucas tão curtas quanto um sonho bom”. Não suporto jogos dicotômicos a exemplo de Emilinha e Marlene, Chico e Caetano, Bethânia e Gal, mas revelo que Cazuza sempre se sobrepôs a Renato em minha adolescência repleta de ilusórias convicções.

O excelente trabalho de Leila inspirado na parceria Guinga e Alir Blanc sobrevive ao transcorrer do tempo e Catavento e girassol resiste com caráter de gravação antológica. Por admirar a competência musical de Leila combati minha resistência ao Renato e resolvi dar um tiro no escuro ao presentear-me com Meu segredo mais sincero, que para minha agradável surpresa desponta como um dos mais belos trabalhos dedicados a obra de um artista.

Em Meu segredo mais sincero Leila relê as composições de Renato introduzindo seu piano sofisticado e ao mesmo tempo minimalista, a cantora mantêm a essência dos desenhos melódicos de Renato porém retira dos recônditos um lirismo que transcende o rótulo de roqueiro. Andrea Doria é uma pérola resgatada por Leila do segundo disco do conjunto Legião Urbana, plena de poesia mostra um artista que tinha domínio sobre os segredos da composição dos versos: “As vezes parecia que de tanto acreditar em tudo que achávamos tão certo/Teríamos o mundo inteiro/E até um pouco mais/ Faríamos floresta do deserto/E diamantes de pedaços de vidro/ Mas percebo agora/Que o teu sorriso/ Vem diferente/Quase parecendo te ferir”. Leila canta com absoluta entrega apropriando-se das notas e palavras como se fossem suas, o timbre belo e a dicção perfeita não desperdiçam uma sílaba, fato que demonstra o quão madura esta a artista para preencher de delicadeza a obra do saudoso amigo.

Tempo perdido recebe uma segunda releitura de Leila que desponta vigorosa e emocionada, o piano e a voz da cantora alternam seu lirismo com a inserção de certas camadas de sons aleatórios que combinam com o cenário urbano da contemporaneidade. Certamente não foi tempo perdido.

Na totalidade o álbum encaminha o ouvinte para uma viagem mais introspectiva visto que Renato era afeito a mergulhos existenciais e melancólicos, mesmo em composições que trazem levadas mais swingadas a exemplo de Ainda é cedo, que foi sucesso na voz de Marina Lima, subsiste um tom de baixo astral. A beleza poética resgatada por Leila se funde a fragmentos de amores depedaçados deixados por Renato, Meu segredo mais sincero é um encontro de amor que ultrapassa tempos e fronteiras. Parabéns Leila!

4 comentários:

cnerisbr disse...

Daniela,
parabéns por mais esse presente aos amantes da boa música, sua crônica ficou excelente!
Confesso que ainda sou muito fã de Renato Russo e Legião Urbana e, nem tanto assim de Cazuza rs
Ouvindo Leila cantar "Vento no Litoral" com a suavidade de sua voz acompanhada pelo piano, me fez relembrar bons e velhos momentos que não voltam mais...
Mais uma vez, parabéns pelo ótimo trabalho!
Beijos,
Cléber Nascimento

figbatera disse...

Oi Dani,
gostei muito de sua resenha.
A Leila valoriza muito as composições com sua bela voz e grande charme.

João Barboza disse...

Essa Aretha é uma linda.Muito boa cantora, se engana quem ainda acha que ela seja aquela menininha dos muiscais da Globo.Aquela menina ficou no nosso imaginário infantil prá sempre,essa que aí está, é uma cantora construída pela vida e amadurecida pelo tempo, por isso se identifica tanto em " Resposta ao Tempo ", é que ela conversa com o tempo e ele, rindo,entende que se trata de uma grande cantora.Viva a Aretha.

drica disse...

renato russo o maior poeta do rock brasileiro,musica simples mais que retrata toda realidade do mundo,e triste é essa realidade que vivemos,mais poeta sabe tirar do ruim o belo,e nao é lembrado só por ter assumido uma doença,gosto muito do cazuza,mais o verso simples e sincero,me conforta e me faz admirar mais,e a leila pinheiro sabe disso